skipToMain
Siga-nos:

O exemplo do treinador do Qarabag. E se fosse em Portugal?

Alain Freitas
\ sexta-feira, fevereiro 25, 2022
© Direitos reservados
No nosso país aplaude-se o jogador que simula um penalti ou que consegue enganar o árbitro. Noutros países esses jogadores são assobiados pelos adeptos da própria equipa. É uma questão cultural…

Numa altura em que um pouco por todo o mundo se sente de forma profunda os acontecimentos que ocorrem com a invasão da Rússia à Ucrânia, gostaríamos de registar mais um episódio desportivo que nos leva a pensar que afinal não está tudo perdido mesmo depois de 2 anos de pandemia e/ou isolamentos.

Decorria o minuto 33 do jogo entre o Qarabag e o Marselha para a Liga Conferência Europa e o jogador da equipa visitada obteve um golo com a mão. Nesse momento a equipa visitante vencia por 0-1 e este golo poderia relançar a equipa visitada no jogo e na eliminatória (dado que o resultado da primeira mão tinha sido 3-1 a favor da equipa do Marselha). O jogador que obteve o golo, ainda algo desnorteado sem perceber se o árbitro tinha detetado a infração, correu em direção ao meio campo, tentando passar despercebido no meio dos protestos dos jogadores da equipa do Marselha (recordamos que nesta competição não existe VAR). Perante tal facto, o treinador da equipa visitada, o ex-futebolista azeri Gurban Gurbanov, questionou o seu jogador se o golo tinha sido obtido com a mão. Este confirma que sim, e o treinador de imediato informa o árbitro da irregularidade, o que o levou a invalidar o golo. O Qarabag acabou por perder o jogo e ser eliminado desta competição, mas ganhou garantidamente o reconhecimento de muitos amantes da modalidade por mais uma atitude de enorme fair play e respect (dois dos grandes designos da FIFA/UEFA para as suas comeptições)

Nós sabemos qua as decisões dos árbitros nem sempre são as melhores, e como dizemos entre nós, a única certeza que temos quando vamos para um jogo, é que vamos acertar e errar. E o que dizemos também, é que com comportamentos de jogadores e dirigentes como os que temos visto ultimamente por esses campos fora nos nossos campeonatos (ainda no passado fim semana desportivo num jogo do campeonato de formação após o final do jogo ocorreram agressões graves entre com jogadores, dirigentes e adeptos de ambas as equipas) não há arbitro que aguente e pode vir o melhor árbitro do mundo, que irá ter dificuldades, irá garantidamente cometer erros. Pois se não alterarmos filosofias, se não alterarmos comportamentos, estaremos a compactuar para o afastamento das pessoas dos espetáculos desagradáveis que temos visto ultimamente.

Isto acontece também porque no nosso país aplaude-se o jogador que simula um penalti ou que consegue enganar o árbitro. Noutros países esses jogadores são assobiados pelos adeptos da própria equipa. É uma questão cultural…

Deixamos para reflexão o que seria do treinador Gurban Gurbanov, se a atitude que tomou, o fizesse enquanto treinador de uma equipa de futebol portuguesa. Seria aplaudido? Seria assobiado? Seria despedido pois foi eliminado de uma competição que lhe permitiria um encaixe financeiro significativo?

Ainda existem, felizmente, muitos e bons exemplos com a temática que não pode valer tudo para atingir os seus fins. Obrigado Gurban Gurbanov….