skipToMain
Siga-nos:

Olímpica ignorância

Carlos Rui Abreu
\ sexta-feira, agosto 06, 2021
© Direitos reservados
A maioria dos portugueses ouve falar do nome de alguns destes atletas olímpicos de quatro em quatro anos. Mas, ainda assim, exige medalhas. Alguém tem consciência das condições dadas?

Pior do que não participarmos enquanto cidadãos num bom debate, seja em que fórum for, é participarmos para falarmos de coisas para as quais não estamos preparados. As redes sociais potenciam esse desabafar para o mundo, sem ponderação, só porque sim, em busca de um ‘gosto’. Sentados no sofá com um teclado à frente disparamos em todos os sentidos. Estes Jogos Olímpicos merecem, do mais comum dos mortais, um ‘bitaite’, uma análise mais ou menos profunda mas sempre com a certeza própria de quem faz o Totobola à segunda-feira.

À hora em que escrevo estas linhas, Portugal havia conquistado em Tóquio quatro medalhas, superando a melhor prestação de sempre nos Jogos da Era Moderna.

São atletas que durante o ciclo olímpico, que não se cinge às semanas que duram os Jogos, passam por privações da mais variada ordem, abdicam de momentos de lazer com família e amigos em nome de um sonho, o de participar na maior competição desportiva do mundo. É disso que se trata: da maior competição desportiva do planeta onde está a nata da nata do desporto mundial. Há quem consiga criticar um atleta porque foi o décimo, ou o sétimo, ou porque em quarto lugar esteve quase, mas falhou uma medalha. Gente que sentada no sofá, talvez de mini na mão, vocifera na direção do quarto, do décimo, do vigésimo melhor do mundo em determinada modalidade. Em quantas áreas da sociedade temos os melhores do mundo? Felizmente, algumas, mas não são assim tantas!

Quem vocifera não conhece o nome da maioria dos atletas apurados para os Jogos Olímpicos. Durante o ciclo olímpico procuram saber onde andam estes atletas? Onde e em que condições treinam? Que apoios têm? Que resultados fazem nas provas nacionais e internacionais onde participam? Que destaque lhes dá a imprensa? Será que são compensados financeiramente ao nível dos melhores do mundo noutras áreas? Vão a um estádio, a um pavilhão, a uma pista aplaudi-los?

Claro que não. A maioria dos portugueses ouve falar do nome de alguns destes atletas olímpicos de quatro em quatro anos. Mas, ainda assim, exige medalhas. Alguém tem consciência das condições dadas a atletas de outras modalidades, que não o futebol, noutros países com os quais Portugal compete nestas provas?

Quando o país apostar de forma assertiva no Desporto Escolar, nas ‘desfutebolização’ da sociedade, quando as empresas decidirem patrocinar estes atletas, aí sim, exijam-lhes responsabilidades.

Até lá apenas temos de nos curvar perante o seu esforço e agradecer o que fazem pelo prestígio do nosso país. Obrigado às Mamona´s, aos Pimenta’s, aos Fonseca’s e aos Pichardo’s pelas medalhas mas obrigado também a todos os outros que participaram em nome de Portugal. Muito obrigado e…desculpem qualquer coisinha.